Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/927
Título: Família, doença mental e reabilitação psicossocial: Estudo da relação entre a percepção que as famílias de doentes psicóticos têm de si, da doença e da reabilitação e o seu envolvimento no processo de reabilitação psicossocial
Autor: Silva, Cristina Maria Magalhães de Oliveira Vieira da
Palavras-chave: Psicologia clínica
Doença mental
Reabilitação psicossocial
Família
Instrumentos
Esquizofrenia
Clinical psychology
Mental illness
Psychosocial rehabilitation
Instruments
Schizophrenia
Data de Defesa: 2004
Editora: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Resumo: Estima-se que em Portugal existam 60000 cidadãos com perturbações de saúde mental grave e prolongada. Estas obrigam a um processo longo e continuado de serviços onde se realça a importância de um trabalho de parceria efectiva entre doentes, técnicos, famílias e comunidade em geral, por forma a facilitar a reabilitação psicossocial a nível pessoal, social e profissional das pessoas doentes, A família, que em alguns casos funciona como rede de suporte nuclear, vê-se também perante uma realidade que não desejou. O objectivo do nosso estudo foi perceber como é que as famílias de pessoas com diagnóstico de esquizofrenia se percepcionam a si próprias, como percepcionam a doença mental e o processo de reabilitação psicossocial e verificar se esta percepção se relaciona com o seu envolvimento no processo de reabilitação. Participaram no estudo 20 familiares de pessoas com diagnóstico de esquizofrenia, envolvidas em processo de reabilitação, respondendo à escala de diferencial semântico (Osgood, 1957) a qual foi analisada nos seus factores avaliativo e potência. Participaram também os técnicos de referência dos familiares doentes que, através do preenchimento da versão resultante do estudo das propriedades métricas da EAEFR (Oliveira, 1998), avaliaram o envolvimento das famílias na reabilitação. Concluímos que o nível de envolvimento destas famílias, na reabilitação dos seus familiares doentes, se situa ligeiramente abaixo de um nível mediano e que as famílias da nossa amostra têm uma percepção positiva de si e da reabilitação e uma percepção negativa da doença mental. Encontramos uma correlação negativa entre a força que percepcionam na sua família e nos técnicos de saúde mental e o seu envolvimento no processo de reabilitação. A percepção que fazem da qualidade das instituições psiquiátricas também se correlaciona negativamente como o envolvimento na reabilitação. Verificamos que quanto mais forte sentem o apoio psicossocial, mais se envolvem no processo. Com base nestes resultados discutimos estratégias facilitadoras do envolvimento das famílias no processo de reabilitação dos seus familiares doentes.
Descrição: Dissertação de Mestrado em Psicopatologia e Psicologia Clínica
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/927
Aparece nas colecções:PCLI - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DM SILV-C1.pdf10,6 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.