Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/876
Título: Estudo sobre a influência de factores emocionais maternos no desenvolvimento precoce do bebé
Autor: Rosa, Maria Matoso Coelho
Orientador: Sá, Eduardo
Palavras-chave: Psicologia clínica
Desenvolvimento infantil
Emoções
Desenvolvimento precoce
Instrumentos
Prevenção
Auto-estima
Escala apgar
Clinical psychology
Emotions
Early development
Instruments
Prevention
Self-esteem
Apgar scale
Data de Defesa: 2003
Editora: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Resumo: O objectivo principal desta investigação consistiu em tentar compreender de que forma os factores emocionais maternos podem influenciar o desenvolvimento precoce de um indivíduo. Partindo de teorias psicanalíticas da "Relação de Objecto", procurou-se criar um instrumento que permitisse um rápido diagnóstico de situações de risco de desenvolvimento de patologia mental futura, em bebés Foi delineada a seguinte hipótese: Mães com níveis de auto-estima elevados têm mais recursos para lidar com os seus bebés, diminuindo o risco de desenvolvimento de patologia mental. A amostra correspondeu a uma amostra de conveniência, e foi recolhida, essencialmente, na sede e em gabinetes da Associação "Ajuda de Mãe", sendo constituída por 31 mães, com bebés de idades compreendidas entre os 4 e os 12 meses. Foram utilizados dois instrumentos: uma adaptação de The Maternal Self-Report Inventory de Shea e Tronik (1988), realizada por Galvão (2002) e a Escala de Apgar de Saúde Mental (instrumento criado para este estudo com o propósito de calcular o índice de risco de ocorrência de patologia posterior). Os dados recolhidos através do Inventário de Auto-estima Materna e da Escala de Apgar de Saúde Mental sofreram uma análise quantitativa, mediante técnicas estatísticas, tendo sido ainda utilizado um programa de computador estatístico: SPSS. O teste estatístico utilizado foi o coeficiente de correlação de Spearman. Os resultados indicam que: a aceitabilidade da função materna, os sentimentos respeitantes à gravidez, parto e pós parto e a expectativa de competências maternas relacionam-se de uma forma directa e inter-inftuenciam-se; quanto mais sinais de saúde o bebé demonstre, menores são as condições para o acontecimento de perturbações; quanto maior o suporte sentido pela mãe, mais disponível está para fazer face às angústias relacionadas com as alterações de vida inerentes ao nascimento de um filho; quanto maior o suporte familiar sentido, maior é a possibilidade de serem detectadas situações clínicas atípicas; mães que apresentam um suporte familiar marcado, poderão fazer com maior facilidade delegação de competências maternas, potenciando perturbações ao nível da relação mãe-bebé e, consequentemente, a ocorrência de situações clínicas atípicas mais frequentes. Tendo em consideração as correlações emergentes entre os dois instrumentos utilizados, pondera-se que, apesar de existir uma tendência para a confirmação da hipótese de partida, a sua aceitação é precipitada. De facto, considera-se imprescindível um aumento substancial da dimensão da amostra.
Descrição: Dissertação de Mestrado em Psicopatologia e Psicologia Clínica
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/876
Aparece nas colecções:PCLI - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DM ROSA-M1.pdf8,51 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.