Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/721
Título: Para uma compreensão das estratégias de coping utilizadas por crianças com cancro e respectivas mães
Autor: Moura, Maria de Jesus Catarino de
Orientador: Sá, Eduardo
Palavras-chave: Psicopatologia
Psicologia clínica
Estratégia de coping
Mães
Instrumento
Cancro
Stress
Psychopathology
Clinical psychology
Coping behaviour
Mother
Instruments
Neoplasms
Data de Defesa: 2004
Editora: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Resumo: Este trabalho procura investigar a forma como crianças diagnosticadas com cancro e suas mães lidam com a doença. Com base em escalas de estratégias de controlo cognitivo indicadas para crianças com doença crónica e seus familiares (Grootenhuis, 1997), investigaram-se 78 crianças com cancro e suas mães. Com base na revisão da literatura formulámos hipóteses de trabalho. Com base no trabalho de campo, realizámos análises multivariadas, cruzando dados demográficos e dados clínicos. Verificámos que as mães de crianças em fase de recaída têm mais confiança nos médicos, o que contraria a hipótese levantada, sustentada na literatura e conduziu a uma proposta de interpretação dos resultados. A riqueza do trabalho resultou, sem dúvida, dos resultados provenientes da análise multivariada. Dado o número de resultados que se encontraram com diferenças significativas formulámos um modelo de compreensão dos mesmos, suportado na revisão da literatura efectuada. Os resultados obtidos apontam para formas distintas de lidar com a doença em função das fases de desenvolvimento das crianças, uma vez que partimos da interpretação que rapazes e raparigas apresentam processos de amadurecimento diferenciados, que os conduzem a diferentes interpretações da doença. Constatámos ainda que as crianças utilizam o locus de controlo externo que, na nossa opinião, funciona como defesa para organização de uma vivência dolorosa. Verificámos que, crianças em fase recaída e suas mães, utilizam as mesmas estratégias de defesa, depositando maior confiança na equipa médica, a qual permitirá maior capacidade para enfrentar uma nova fase da doença, depois de experiências anteriores de sofrimento. Este estudo leva-nos a sugerir que, em investigações futuras, será da maior importância cruzar variáveis demográficas e clínicas em análises multivariadas, de forma a permitir uma melhor compreensão da extensão das repercussões da doença oncológica em crianças nas diferentes fases de desenvolvimento e uma melhor avaliação das estratégias de coping tanto nas crianças como na família, especialmente nas mães.
Descrição: Dissertação de Mestrado em Psicopatologia e Psicologia Clínica
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/721
Aparece nas colecções:PCLI - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DM MOUR-MA1.pdf7,25 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.