Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/685
Título: Recovery e medicação: Perspectivas e percepções de indivíduos com experiência de doença mental
Autor: Mendes, Carla Sofia Almeida e
Palavras-chave: Psicologia comunitária
Doença mental
Empowerment
Medicação
Recovery
Entrevista
Community psychology
Mental ilness
Medication
Interview
Data de Defesa: 2008
Editora: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Resumo: Sendo notória a pertinência das questões relacionadas com a saúde mental dada a sua elevada incidência à escala mundial, surgem novos debates em torno do conceito emergente de recovery. A relação entre a medicação psiquiátrica e o recovery é um tema complexo e controverso, estando a área da saúde mental repleta de relatos que salientam o valor dos medicamentos no recovery e, em simultâneo, de opiniões que testemunham uma posição contrária à medicação, realçando os seus efeitos secundários severos e debilitantes. Abandonando uma focalização excessiva na doença e nos seus sintomas, o objectivo deste trabalho é compreender quais as percepções e perspectivas de indivíduos com experiência de doença mental acerca da utilização da medicação no recovery. Utilizando uma metodologia qualitativa, realizaram-se 35 entrevistas semi-estruturadas a indivíduos com experiência de doença mental, pertencentes a uma organização comunitária - Associação para o Estudo e Integração Psicossocial. As entrevistas foram analisadas através da técnica de análise de conteúdo, com a utilização do software Nvivo 7. Os resultados indicam que os participantes consideram que a utilização da medicação é 'uma solução de recurso' e que apesar dos efeitos secundários, constitui uma ajuda para a realização das actividades diárias, conferindo sensações de 'tranquilidade e segurança'. Dos discursos ressalta a ideia de que a medicação não é tida como a única opção racional para reduzir os sintomas da doença. A medicação é apenas uma de entre muitas opções e escolhas no recovery, sendo evidente o desejo dos participantes serem considerados pessoas com uma vida para além dos sintomas e da medicação. Esta visão do papel da medicação permite concluir acerca de uma necessária transição paradigmática dos modelos médicos para que contemplem formas holísticas de abordagem da doença mental, continuando a existir necessidade de explorar, em colaboração com pessoas com experiência de doença mental, diferentes formas de orientar práticas e serviços que possam constituir ajudas potenciais do recovery.
Descrição: Dissertação de Mestrado em Psicologia Comunitária
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/685
Aparece nas colecções:PCOM - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DM MEND-C1.pdf5,11 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.