Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/653
Registo completo
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorSantos, Manuel Eduardo dospor
dc.contributor.authorMartins, Ana Paz Gonçalves-
dc.date.accessioned2011-07-20T19:00:56Z-
dc.date.available2011-07-20T19:00:56Z-
dc.date.issued2002-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10400.12/653-
dc.descriptionDissertação de Mestrado em Etologiapor
dc.description.abstractNos últimos anos, a capacidade de discriminar estímulos diferindo na numerosidade começou a ser escudada em espécies filogeneticamente distantes. Com o objectivo de determinar a capacidade de competência numérica em Tursiops truncatos, quatro destes animais foram treinados a associar um determinado sinal ao número de argolas que deveriam recolher da piscina. Numa Fase I dois golfinhos foram treinados diariamente a discriminar dois estímulos visuais, constituídos por figuras geométricas bidimensionais representadas numa placa, correspondentes aos números 2 e 4. De modo a testar a sua capacidade de distinguir os dois sinais foram efectuados treinos de Delayed matching-to sample (DMTS) entre as placas, aliados aos treinos com argolas. Estes consistiram numa sequência de trials durante as quais, após a apresentação do estímulo, o animal deveria trazer o número de argolas correspondente. A análise aos resultados das sessões de teste mostra que não ocorreu uma discriminação entre as placas, nem uma associação entre o sinal visual e o número de argolas. Posteriormente, na Fase II, aos restantes golfinhos-roazes foram apresentados estímulos acústicos, representando os números 1 e 2. A utilização de sons como estímulos é geralmente caracterizada por uma aprendizagem rápida e, aparentemente, com pouco esforço por parte do animal. Tal como na Fase anterior o animal deveria trazer o número de argolas dependendo do som emitido e apenas as respostas positivas eram recompensadas. Os resultados obtidos nas sessões de teste, mostraram que, de um modo geral, o número de argolas recolhido foi independente do som emitido. Pode-se concluir que os animais tiveram uma grande dificuldade em interpretar os estímulos apresentados, não tendo efectuado uma associação entre o sinal emitido e o número de argolas a recolher. São apresentadas e discutidas as variáveis que deverão ser controladas em trabalhos futuros, assim como os aspectos metodológicos que poderão ter enviesado os resultados.por
dc.language.isoporpor
dc.publisherInstituto Superior de Psicologia Aplicadapor
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectPsicologia experimentalpor
dc.subjectEtologiapor
dc.subjectComportamento animalpor
dc.subjectGolfinhospor
dc.subjectLinguagempor
dc.subjectExperimental psychologypor
dc.subjectEthologypor
dc.subjectAnimal behaviourpor
dc.subjectDolphinspor
dc.subjectLanguagepor
dc.titleAnálise de duas experiências de competência numérica em golfinhos-roazes (tursiops truncatus)por
dc.typemasterThesispor
degois.publication.locationLisboapor
Aparece nas colecções:PBIO - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DM MART-APG1.pdf4,17 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.