Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/615
Título: Comportamento de risco em adolescentes: Uma abordagem evolutiva
Autor: Loureiro, Eugénia Maria
Orientador: Inexistente
Palavras-chave: Etologia
Adolescência
Sexualidade
Instrumentos
Percepção
Percepção de risco
Ethology
Adolescence
Sexuality
Instruments
Perception
Risk perception
Data de Defesa: 2003
Editora: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Resumo: Aparentemente, a adopção de comportamentos de risco não é facilmente explicável pela teoria evolutiva, uma vez que os indivíduos que adoptam este tipo de comportamentos põem em causa a sua probabilidade de sobrevivência e, consequentemente a propagação dos seus genes. Contudo, a evolução de comportamentos de risco na espécie humana seria lógica se os indivíduos que incorrem nesse tipo de comportamentos conseguissem algum tipo de vantagem sobre os seus competidores. Este estudo pretende explicar a adopção de comportamentos de risco em jovens adolescentes explorando duas hipóteses explicativas. A primeira hipótese centra-se na ideia de estratégias alternativas oferecida pela teoria de histórias vitais e a segunda, refere-se ao comportamento de exibição masculina que terá evoluído como uma forma de propaganda competitiva. A teoria de histórias vitais pressupõe que o comportamento dos indivíduos se desenvolve em função das condições sócio-ambientais. Num ambiente instável e imprevisível poderá compensar investir no presente, antecipar a maturação sexual e a própria reprodução. A teoria de histórias vitais prevê que os indivíduos que percebem o futuro como incerto e têm uma baixa expectativa de sobrevivência, procurem maximizar os benefícios imediatos, adoptando mais comportamentos de risco (Hill et al, 1997). Neste caso, não se espera que existam diferenças sexuais na adopção de comportamentos de risco. A hipótese do show-off sugere que no passado evolutivo da nossa espécie os indivíduos do sexo masculino foram seleccionados no sentido de estarem mais dispostos a correr riscos. Kelly e Dunbar (2002) documentaram uma preferência feminina baseada no comportamento de risco. Parece que o comportamento de risco pode ser um sinal honesto da qualidade individual dos machos. Por outro lado, os homens podem usar o comportamento de risco para explorar essa preferência feminina e assim conseguir uma importante vantagem reprodutiva. Assim, a hipótese do show-off prevê diferenças entre os sexos no que se refere à avaliação e adopção de comportamentos de risco, resultantes de diferentes pressões selectiva. Ao contrário do pressuposto pela teoria de histórias vitais, a hipótese do show-off não prevê variações comportamentais dependentes das condições ambientais.
Descrição: Dissertação de Mestrado em Etologia
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/615
Aparece nas colecções:PBIO - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DM LOUR-E1.pdf3,48 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.