ISPA Repositório do ISPA
 
  Novo Utilizador? Registe-se aqui! Utilizador Registado? Entrar  

Repositório do ISPA >
Psicologia das Organizações >
PORG - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.12/601

Título: Dimensões de personalidade e sucesso no trabalho
Autor: Lebres, Alberto da Costa
Orientador: Lopes, Albino
Issue Date: 1996
Editora: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Resumo: Pretende-se com este estudo avaliar o valor preditivo das dimensões de personalidade relativamente aos indicadores de sucesso profissional. Para operacionalizar as dimensões de personalidade, escolhemos o Questionário de Personalidade de Cattell (16PF) e para operacionalizar o sucesso profissional escolhemos quatro sistemas de recompensa: avaliação de mérito (por alcance de resultados), complemento remunerativo (por percepção do valor profissional), remuneração e promoções. Os questionários de personalidade foram aplicados ao longo de 7 anos no serviço de Psicologia de uma instituição bancária, para efeito de ingresso na instituição ou para melhoria de carreira. Os indicadores de sucesso profissional são de duração variada: avaliação de mérito (5 anos), complemento remunerativo (3 anos), remuneração (1 ano) e promoções (de 5 a 40 anos de antiguidade). Partimos do pressuposto de que, na sequência de revisões dos estudos sobre a personalidade no trabalho, nomeadamente a revisão de Furnham (1992), passado o pessimismo dos anos 70-80 sobre o estudo da personalidade, em geral, e da associação da personalidade ao sucesso profissional, em particular, havia indicativos de algum optimismo em relação a estas investigações, e indicavam-se os estudos longitudinais como os mais adequados e poderosos para o efeito. O próprio Furnham apontava um modelo explicativo do comportamento laboral, em que os elementos principais a investigar seriam: personalidade, inteligência, aptidões, motivação, factores demográficos. Estes elementos do modelo interpenetrar-se-iam e influenciar-se-iam mutuamente na explicação do fenómeno mais complexo do comportamento laborai. Assim sendo, era previsível encontrar associações significativas entre as dimensões de personalidade e os indicadores do sucesso profissional, e entre estes indicadores e os outros elementos do modelo. A fim de testar estas previsões, foi enunciada a seguinte hipótese geral; O comportamento ocupacional é o resultado das influências de cinco factores principais: personalidade, inteligência, aptidões, motivação e factores demográficos, pelo que as modalidades destes factores associadas ao sucesso profissional são diferentes das modalidades destes factores associadas ao insucesso. Em relação às dimensões de personalidade, procedeu-se inicialmente à análise factorial dos 16 factores do Questionário de Cattell, tendo-se obtido cinco factores de 2a ordem que foram denominados: tranquilidade, extroversão, idealismo, assertividade e responsabilidade. Os tratamentos estatísticos conduziram às seguintes conclusões: - Há diferenças significativas no efeito multivariado complemento remunerativo para as 5 dimensões de personalidade, traduzindo uma heterogeneidade de comportamento e há diferenças univariadas entre os níveis do complemento remunerativo para as dimensões de personalidade extroversão e idealismo. - Não há diferenças significativas no efeito multivariado avaliação de mérito, o que traduz uma homogeneidade de comportamento. - A dimensão de personalidade extroversão-introversão anda associada positiva e significativamente quer ao nível de remuneração quer ao número de promoções A dimensão de personalidade responsabilidade-flexibilidade anda associada positiva e significativamente ao número de promoções. - A dimensão de personalidade tranquilidade anda associada negativa e significativamente ao número de promoções. - A extroversão é a única dimensão de personalidade preditora do nível de remuneração (6% de variância). - Todas as dimensões de personalidade são predítoras do número de promoções, explicando no seu conjunto 19% de variância, assim discriminadas: extroversão (6,9%), tranquilidade (6,8%), responsabilidade (2,3%) assertividade (1,7%) e idealismo (1,5%). Após o tratamento dos dados pelos procedimentos estatísticos clássicos, procedeu-se a análises factoriais de correspondências (AFC), tendo-se concluído: - O nível alto de complemento remunerativo anda associado às dimensões de personalidade pragmatismo, extroversão, submissão e responsabilidade, enquanto o nível baixo de complemento remunerativo anda associado às dimensões de personalidade idealismo, introversão, assertividade e flexibilidade. - O nível alto de mérito anda associado às dimensões de personalidade pragmatismo, extroversão, responsabilidade e assertividade, enquanto o nível baixo de mérito anda associado às dimensões de personalidade idealismo, introversão, flexibilidade e submissão. - Os níveis altos de remuneração andam associados às dimensões de personalidade extroversão, pragmatismo, submissão e flexibilidade, enquanto os níveis baixos de remuneração andam associados às dimensões de personalidade introversão, idealismo, assertividade e responsabilidade. Os níveis altos de promoção andam associados às dimensões de personalidade ansiedade, extroversão, submissão e responsabilidade, enquanto os níveis baixos de promoção andam associados às dimensões de personalidade tranquilidade, introversão, assertividade e flexibilidade. - A dimensão de personalidade extroversão-introversão é a que tem maior importância no modelo, pois, além do seu poder discriminativo no conjunto dos 4 sistemas de recompensa, a sua categoria positiva anda sempre associada ao sucesso profissional e a sua categoria negativa anda sempre associada ao insucesso. - A dimensão de personalidade pragmatismo-idealismo tem poder discriminativo e no mesmo sentido em 3 dos sistemas de recompensa. Assim, os indivíduos pragmáticos andam associados ao sucesso profissional, enquanto os indivíduos idealistas andam associados ao insucesso. - A dimensão de personalidade responsabilidade-flexibilidade discrimina positivamente em 3 dos sistemas de recompensa e negativamente apenas em um dos sistemas. Assim, os indivíduos responsáveis andam geralmente associados ao sucesso laborai e os indivíduos flexíveis andam geralmente associados ao insucesso laboral. - A dimensão de personalidade assertividade-submissão discrimina negativamente em 3 dos sistemas e positivamente em um dos sistemas. Podemos concluir que os indivíduos submissos andam geralmente associados ao sucesso profissional e os indivíduos assertivos andam geralmente associados ao insucesso. - A dimensão de personalidade tranquilidade-ansiedade tem poder discriminativo apenas no sistema promoções e no sentido negativo. Assim, os indivíduos ansiosos andam associados ao sucesso laboral, enquanto os indivíduos tranquilos andam associados ao insucesso. - As dimensões de personalidade que melhor explicam o sucesso profissional são, pois, a extroversão, o pragmatismo, a responsabilidade, a submissão e a ansiedade. - As dimensões de personalidade que andam associadas ao insucesso são, em contrapartida, a introversão, o idealismo, a flexibilidade, a assertividade e a tranquilidade. Finalmente, a fim de avaliar a importância relativa para o sucesso profissional dos elementos do modelo de Furnham (1992), procedeu-se a uma AFC das dimensões de personalidade, inteligência, aptidões, motivação, sexo, habilitações, antiguidade relativamente a cada um dos sistemas de recompensa (mérito, complemento remunerativo, remuneração e promoções), tendo-se concluído; - Os indivíduos com complementos remunerativos mais altos caracterizam- se por antiguidade mais baixa (5-10 anos), por habilitações a nível do secundário ou complementar, motivados por razões fisiológicas ou de segurança, com níveis intelectual e aptitudinal altos, ansiedade, pragmatismo, introversão, submissão, flexibilidade e do sexo masculino. - Os indivíduos com níveis de mérito mais altos caracterizam-se por antiguidade mais elevada (11-40 anos), por habilitações a nível do secundário ou complementar, motivados por razões de realização ou de estima, com níveis intelectual e aptitudinal baixos, ansiedade, pragmatismo, extroversão, submissão, responsabilidade e do sexo masculino. - Os indivíduos com níveis de remuneração mais altos caracterizam-se por antiguidade mais elevada (11-40 anos), por habilitações a nível de licenciatura ou bacharelato, motivados por razões de realização ou de estima, com níveis intelectual e aptitudinal baixos, idealismo, extroversão, tranquilidade, flexibilidade, submissão e do sexo masculino. - Os indivíduos com níveis de promoção mais altos caracterizam-se por antiguidade mais elevada (11-40 anos), habilitações a nível do secundário ou complementar, motivados por razões de realização ou de estima, com níveis intelectual e aptitudinal baixos, idealismo, extroversão, ansiedade, responsabilidade, submissão e do sexo masculino. De acordo com os valores médios da percentagem de variância explicada pelas 2 primeiras dimensões da AFC, a ordenação das variáveis em relação ao conjunto dos sistemas de recompensa em termos de poder discriminativo é a seguinte (entre parênteses as percentagens extremas): Antiguidade (17.2%-19.0%), Habilitações literárias (13.3% - 18.5%), Inteligência (10.2% - 13.8%), Motivação (10.3% - 14%), Sexo (7.4% - 10.0%), Tranquilidade-Ansiedade (6.7% - 7.7%), idealismo-Pragmatismo (3.6 % - 8.0%), Aptidões (2.6% - 4.8%), Extroversão-Introversão (2.4% - 6.1%), Responsabilidade-Flexibilidade (2.1% - 1.5%), Assertividade-Submissão (0.4% - 1.5%). - O conjunto das variáveis demográficas (antiguidade, habilitações literárias e sexo) é o que mais variância explica (42.7% do total da variância média do modelo). - O conjunto das variáveis de natureza psicológica (inteligência, motivação e aptidões) explicam 28,4% da variância média do modelo. - O conjunto das dimensões de personalidade (tranquilidade, extroversão, idealismo, assertividade e responsabilidade) é o que menos variância explica (21.1% do total da variância média do modelo). - A variável com menor poder discriminativo em todos os sistemas é a dimensão de personalidade assertividade (1,1% de variância média). As nossas hipóteses inicialmente anunciadas foram, pelo menos parcialmente, confirmadas, designadamente: 1. Há dimensões de personalidade que andam geralmente associadas ao sucesso profissional (extroversão, ansiedade, submissão) e dimensões de personalidade que andam geralmente associadas ao insucesso (introversão, tranquilidade, assertividade). Há, no entanto, dimensões de personalidade que tanto podem andar associadas ao sucesso profissional como ao insucesso (pragmatismo/idealismo, responsabilidade/flexibilidade), dependendo do sistema de recompensa que lhes está associado. 2. O efeito moderador das variáveis demográficas e profissionais (sexo, habilitações literárias, antiguidade), das variáveis psicológicas (inteligência, aptidões, motivação) é muito acentuado, atenuando o peso ou alterando o sentido da associação entre dimensões de personalidade e sistemas de recompensa. 3. A aplicação do modelo de investigação de Furnham (1992) parece ser capaz de reproduzir a complexidade das influências e interdependências múltiplas das principais variáveis consideradas preditoras do sucesso profissional, se bem que o peso de algumas variáveis (antiguidade e habilitações literárias) tendam a dominar o modelo, relegando para segundo plano as outras variáveis em estudo. 4. O questionário de personalidade 16PF de Cattell demonstrou ser um instrumento de grande sensibilidade discriminativa em relação às variáveis sexo, habilitações literárias, categoria profissional, complemento remunerativo e situação e também em relação ás categorias das variáveis antiguidade, remuneração e promoção, verificando-se diferenças significativas nos efeitos multivariados destas variáveis para as cinco dimensões de personalidade. Só revelou fraca sensibilidade em relação à avaliação de mérito. 5. As dimensões de personalidade mais associadas ao sucesso profissional nesta instituição são: submissão (4 sistemas), ansiedade (3 sistemas) e extroversão (3 sistemas). As outras dimensões de personalidade (responsabilidade-flexibilidade e idealismo-pragmatismo) distribuem-se pelos quatro sistemas igualmente.
Descrição: Dissertação de mestrado em Comportamento Organizacional
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/601
Appears in Collections:PORG - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
DM LEBR1.pdf10,07 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

© 2009 Instituto Superior de Psicologia Aplicada - Feedback - Statistics
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia