Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/583
Título: Satisfação salarial e liderança transformacional
Autor: Heitor, Maria Isabel P.
Orientador: Barracho, Carlos
Data de Defesa: 1996
Editora: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Resumo: Este estudo aborda a satisfação salarial enquanto constructo multidimensional tendo por base os trabalhos de Heneman e Schwab (1979, 1985). Nele, são evidenciadas as capacidades psicométricas do Questionário de Satisfação Salarial (PSQ), tendo em conta quer a fidelidade (α= .91 e α= .96 no primeiro e segundo momento respectivamente) quer a qualidade de ajustamento dos dados ao modelo hipotético construído. São ainda enaltecidas as capacidades do referido questionário, para medir separadamente a satisfação salarial. O papel do líder transformacional no processo de satisfação salarial também foi por nós estudado, através de um modelo de equação estrutural. A este respeito, podemos concluir que o líder, para além de ser visto como mais eficaz e de proporcionar maior satisfação, conduz ao esforço extra dos colaboradores. Dado que não foi encontrada nenhuma versão do PSQ em Português, efectuamos a sua tradução e adaptação, complementada por um pré-teste. Atendendo ao elevado coeficiente alpha (.95) e à pureza factorial obtida nesta fase, a partir da análise factorial exploratória para uma amostra de quarenta sujeitos, redigimos a versão do PSQ, posteriormente utilizada. Basicamente, o estudo divide-se em dois momentos, antes e pós revisões salariais. A amostra é constituída por sujeitos de duas empresas comerciais. Os questionários foram entregues e recolhidos durante a realização de acções de formação, resultando numa mortalidade praticamente inexistente. As condições de aplicação mantiveram-se da situação experimental, admitindo-se deste modo, que também controlamos possíveis efeitos devidos à instrumentação. De modo a contemplar todos os empregados da população visada (equipa de vendas), tornou-se necessário ajustar a distribuição dos instrumentos, às datas de realização das acções de formação, facto que implicou a decomposição da amostra em vários grupos, totalizando uma população de 428 sujeitos. Estes exercem funções de chefes/gestores de loja, responsáveis de loja e vendedores, em diversos pontos de venda distribuídos por Portugal continental e ilhas. Foram utilizados três instrumentos, PSQ, Job Descriptive Index (JDI) e Questionário Multifactorial de Liderança-QML (Bass, 1985). Os resultados obtidos tendo por base estes instrumentos permitiram-nos concluir que o PSQ avalia conceptualmente aspectos distintos do salário e que o líder exerce influência neste processo. A exploração de dados sobre condições qualificadoras leva-nos a concluir que consoante o cargo exercido e o tempo de antiguidade, os indivíduos experimentam diferente satisfação salarial. Apenas os chefes de loja são sensíveis às revisões salariais, sendo estes os que estão menos satisfeitos com o salário. Contrariamente, os vendedores valorizam o papei do líder no processo de satisfação salarial, menosprezando os efeitos do aumento efectivo de salário. A análise factorial confirmatória permitiu-nos analisar o grau de especificidade com que os items saturam em cada um dos seus constructos hipotéticos bem como o grau com que os mesmo se distinguem uns dos outros. O modelo hipotético de quatro factores revela um bom ajustamento dos dados em ambos os momentos (χ2- 348.55, df= 129, p< .001. GFI= .886, AGFI= .849, NFI= .881, PH= .742, RMSR- .05, no momento 1 para n= 310, χ2= 180.32, df= 129, p< .001. GFI= .858, AGFI= .812, NFI= .875, PFI= .738, RMSR= .07, no momento 2 para n= 118), despistando os efeitos da revisão salarial que ocorreu entre o intervalo de tempo. A validade discriminante das dimensões do PSQ é suportada pela confirmação do modelo de um único factor, o qual revela um fraco ajustamento dos dados (χ2= 756.13, df= 135, p< .001), comparativamente ao modelo geral de quatro factores. Dado que as diversas dimensões do PSQ não registam dados sucessivamente melhores após um aumento efectivo de salário, somos levados a crer que a satisfação salarial depende de outros factores que não aqueles que são avaliados nas suas dimensões. Por sua vez, estas são diferenciadamente preditas por uma série de causas (recompensa contingencial, salário contingente do desempenho, atitudes face à avaliação do desempenho). De igual modo se confirma que o líder pode modificar as probabilidades percebidas, podendo estar na origem de recompensas valiosas, tal como nos sugere Syroit (1996), Os resultados realçam a necessidades de regras claras que relacionem desempenho e recompensas, possibilitando a cada um conhecer com clareza, não só o que se espera dele, mas também quais os parâmetros com que o seu desempenho é avaliado. Para além da adequação dos dados em particular e da confirmação dos modelos hipotéticos em geral, acima de tudo, os resultados deste estudo fornecem pistas para trabalhos futuros a desenvolver não só no âmbito da satisfação salarial mas também da liderança transformacional.
Descrição: Dissertação de mestrado em Comportamento Organizacional
Peer review: no
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/583
Aparece nas colecções:PORG - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DM HEIT1.pdf8,49 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.