Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/5406
Registo completo
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorPires, Joana-
dc.contributor.authorPereira, Carina-
dc.contributor.authorAssunção, Cristiana-
dc.contributor.authorAlmeida, Ana Susana-
dc.date.accessioned2017-04-21T11:12:26Z-
dc.date.available2017-04-21T11:12:26Z-
dc.date.issued2012-
dc.identifier.citationIn L. Mata, F. Peixoto, J. Morgado, J. C. Silva & V. Monteiro (Eds.), Actas do 12.º Colóquio Internacional de Psicologia e Educação: Educação, aprendizagem e desenvolvimento: Olhares contemporâneos através da investigação e da prática (pp.326-339). Lisboa: ISPA - Instituto Universitáriopt_PT
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10400.12/5406-
dc.description.abstractO acréscimo do número de idosos, nas últimas décadas, tem levado a um aumento significativo do envelhecimento da população. Para promover a qualidade de vida nesta faixa etária torna-se premente explorar em que consiste o envelhecimento bem-sucedido. Costa (2003) refere que o envelhecimento bem-sucedido se alicerça num equilíbrio entre as limitações e as potencialidades do idoso e naquilo que o torna capaz de controlar as tensões e as perdas associadas à sua progressão desenvolvimental e temporal (Custódio, 2008). Neste sentido, o principal objetivo deste estudo consiste em compreender a perspetiva do idoso acerca da sua própria velhice, mais concretamente perceber como este perceciona a sua qualidade de vida, bem como os fatores que poderão promovê-la. Participaram neste estudo 30 idosos da Santa Casa da Misericórdia, com uma média de 82.5 anos (DP = 7.65). Na recolha de dados utilizou-se o instrumento IQVI – Índice de Qualidade de Vida do Idoso (Paschoal, 2004). Verificou-se que, atualmente, os idosos gostariam de ter aproximadamente 31 anos. Estes acreditam na possibilidade de ter uma boa qualidade de vida e a maioria considera-a satisfatória. Afirmam que a saúde, o suporte social e a religião são imprescindíveis para uma boa qualidade de vida. Os seus maiores medos são a falta de saúde, o medo de morrer e ficar acamado. As implicações práticas enquadram-se na mudança de atitudes face ao envelhecimento, na promoção de novas estratégias e adequação de comportamentos sociais que garantam um envelhecimento bem-sucedido, com qualidade de vida.pt_PT
dc.language.isoporpt_PT
dc.publisherISPA - Instituto Universitáriopt_PT
dc.rightsopenAccesspt_PT
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/pt_PT
dc.subjectEnvelhecimentopt_PT
dc.subjectQualidade de vidapt_PT
dc.subjectBem-estarpt_PT
dc.subjectIdosopt_PT
dc.subjectInstituiçãopt_PT
dc.titleA perspetiva do idoso sobre a qualidade de vida: Envelhecimento bem-sucedidopt_PT
dc.typeconferenceObjectpt_PT
dc.description.versioninfo:eu-repo/semantics/publishedVersionpt_PT
degois.publication.firstPage326pt_PT
degois.publication.lastPage339pt_PT
degois.publication.locationLisboapt_PT
degois.publication.titleActas do 12.º Colóquio Internacional de Psicologia e Educação: Educação, aprendizagem e desenvolvimento: Olhares contemporâneos através da investigação e da práticapt_PT
dc.peerreviewedyespt_PT
Aparece nas colecções:PEDU - Actas de reuniões cientificas

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
CPE_12_326-339.pdf238 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.