Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/4662
Título: Da sobrevivência física à sobrevivência mental : aspectos do funcionamento psíquico em ex-combatentes da guerra colonial portuguesa
Autor: Ferrajão, Paulo
Orientador: Marques, Maria Emília
Oliveira, Rui Aragão Gomes
Palavras-chave: Perturbação de stresse pós traumático
Ex-combatentes
Resiliência
Processos internos
Posttraumatic stress disorder
War veterans
Resilience
Internal processes
Data de Defesa: 2015
Resumo: Enquadramento: A traumatização de guerra associada à perpetração e/ou testemunho de violência e os processos associados à recuperação da Perturbação de Stresse Pós-Traumático (PSPT) em ex-combatentes, são dois temas que têm merecido pouca atenção por parte da investigação científica. O impacto das consequências psicossociais da experiência de guerra na identidade dos indivíduos e a relação dessas variáveis com os processos internos e nas relações com os outros são dois temas considerados relevantes nestes processos, embora ainda pouco estudados. Objectivos: A presente Dissertação teve como propósito produzir alguma evidência acerca dos tópicos referidos. Com estes estudos pretendemos explorar a experiência do processo de traumatização de guerra, os factores que influenciam as mudanças na identidade dos ex-combatentes, e as estratégias mentais utilizadas no coping das consequências da traumatização. Outro objectivo foi a investigação preliminar de potenciais relações entre variáveis como a função reflexiva, a reparação moral, percepção de suporte social, e o dano moral nos níveis de PSPT e Depressão. Método: Para atingir os objectivos deste estudo, delineamos três investigações independentes. No Estudo 1, a amostra era constituída por 120 ex-combatentes da Guerra Colonial Portuguesa (GCP) que recebiam tratamento clínico. Foi efectuado um estudo correlacional onde analisámos o efeito da exposição ao combate, o testemunho e a prática de violência abusiva, e do senso de coerência no desenvolvimento da PSPT e Depressão. Foram efectuadas análises de regressão logística binomial independentes e análises de regressão. No Estudo 2, a amostra era constituída por 60 ex-combatentes da GCP: um grupo com PSPT crónica (n=30) e um grupo com remissão da PSPT (n=30). A exploração das experiências traumáticas e dos factores atribuídos à restauração da resiliência foram recolhidas através duma metodologia qualitativa, com recurso a entrevistas semi-estruturadas realizadas individualmente a cada participante. No Estudo 3, a amostra era idêntica à do estudo anterior, tendo sido efectuado um estudo correlacional com delineamento de métodos mistos. A análise do conteúdo das entrevistas para ambos os estudos foi realizada com base no método de codificação categorial não indutivo de Bardin. Os níveis da PSPT e Depressão foram avaliados, respectivamente, através do Impact of Event Scale - Revised e do Brief Symptom Inventory. Resultados: Os resultados do Estudo 1 revelaram que a participação e o testemunho de violência abusiva, e níveis mais reduzidos de senso de coerência associavam-se a probabilidades mais elevadas de exceder o ponto de corte para o diagnóstico de Depressão. Todas as variáveis associavam-se a probabilidades mais elevadas de exceder o ponto de corte para diagnóstico da PSPT. O senso de coerência era uma variável mediadora do efeito da exposição ao combate e do testemunho de violência abusiva nos níveis de PSPT e Depressão. No Estudo 2, foram identificados seis temas atribuídos à recuperação ou manutenção da perturbação: stressores de guerra, acontecimentos de vida stressores, estratégias mentais e de coping, auto-integração de experiências morais incongruentes nos esquemas pessoais, auto-compreensão dos estados mentais, e suporte social percebido. Estes temas suportaram um modelo compreensivo do processo de recuperação da traumatização de guerra, com base na reconciliação das experiências moralmente discrepantes nos esquemas do Self, e desenvolvimento de maior compreensão dos estados mentais do Self. No Estudo 3, a compreensão dos estados mentais e a integração de experiências de dano moral nos ix esquemas pessoais eram variáveis preditoras dos níveis da PSPT e Depressão, enquanto o nível de exposição ao combate era preditor do nível da PSPT. Conclusões: A traumatização de guerra parece constituir um processo de confronto cumulativo com acontecimentos disruptivos e stressores não traumáticos na guerra, e com as consequências biopsicossociais da experiência no pós-guerra. A reconciliação das representações associadas à traumatização no sistema de representações globais do Self e a função reflexiva surgiram como duas variáveis chave no processo de restauração da resiliência, apresentando um efeito transformador na restauração da coerência do Self dos indivíduos. A restauração de capacidades de resiliência associa-se à posse, ou restauração, de recursos intrapsíquicos e a mobilização de recursos ambientais. A associação verificada entre a função reflexiva e a reconciliação das representações associadas à traumatização no sistema de representações globais do Self com os níveis de PSPT e Depressão sugerem que a reorganização da estrutura psíquica e dos padrões interpessoais formam uma complexa matriz intrapsíquica subjacente às mudanças dos sintomas.
Background: War trauma related to perpetration and/or witnessing violent acts, and the processes related to recovery from Post traumatic stress disorder (PTSD), among war veterans, has deserved littlen attention by research in general. The psychological impact of psychosocial consequences of war experience on personal identity and the association of those variables with both the intrapsychic processes and the Self-other relationship have been stressed by some studies. However, little is known about it. Aims: The current Dissertation aimed at filing in the knowledge gap regarding these topics. We intended to explore the experience of war traumatization, the factors involved in identity changes, and the mental strategies used to cope with consequences of war traumatic events among war veterans. In addition, we aimed at exploring a possible connection between the most relevant emerged variables of these experiences and the PTSD and depressive levels: moral injury, reflexive function, moral repair, and perceived social support. Method: Three independent studies were performed, all cross-sectional. In Study 1, sample was composed of 120 Portuguese Colonial War veterans (mean age= 64 years old; age range: 59-72) receiving both psychiatric and psychological treatment. It was conducted a correlational study to analyse the effects of three war components - combat exposure , observation of abusive violence, and participation in abusive violence - and sense of coherence on the development of both PTSD and Depression. All variables were assessed using self-report measures. A binomial logistic regression analysis was performed to determine the effects of these variables on depression and PTSD diagnosis. Mediation test was performed by conducting several hierarchical regression analyses. In Study 2, participants were a sample (N=60) of war veterans (mean age= 64 years old; age range: 59-72): 30 suffered from chronic PTSD and 30 veterans with remission from PTSD. Qualitative data on the war traumatic experiences and the factors attributed to resiliences restoration was collected by two semi-structured interviews for each patient. In Study 3, the sample was the same as the previous study; a naturalistic study was conducted using both qualitative and quantitative methods. In both studies (Studies 2 and 3) analysis of the interviews was conducted using the Thematic and Categorical Analysis proposed by Bardin. PTSD and Depression levels were assessed, respectively, using the Impact of Event Scale - Revised (IES-R; Weiss & Marmar, 1997) and the Brief Symptom Inventory (BSI; Derogatis & Melsaratos, 1983). Results: Data from Study 1 showed that observation and participation in abusive violence, and lower levels of sense of coherence were associated with increased odds for exceeding the clinical cutoff scores for diagnosis of depression. All variables were associated with increased odds for exceeding the clinical cutoff scores for diagnosis of PTSD. In mediation analysis, sense of coherence was a full mediator of the effects of observation of abusive violence and combat exposure on both depression and PTSD symptoms. Qualitative data from the study 2, on the factors attributed to recovery from posttraumatic disturbance retrieved six themes: war zone stressors, stressful life events, mental and coping strategies, self-integration in personal schemas of morally incongruent experiences, self-awareness of mental states, and perceived social support. These results supported a new model for the recovery from war traumatization, based on individual’s reconciliation of morally discrepant experiences in their self- and relational-schemas, and development of higher self-awareness of their own mental states. In Study 3, self-integration of moral injury in personal schemas and self- xi awareness of mental states were predictors of both PTSD and depression symptoms. Combat exposure was a predictor of PTSD symptoms. Conclusions: In the three studies, war traumatization involved a cumulative process of exposure to disruptive events (victimization or perpetration) and non-traumatic events, and the exposure to post-war biopsychosocial consequences. The reconciliation of mental representations related to war in global self- and relational-schemas, and reflexice function play a pivotal role in resilience restoration, suggesting the potential transformative effect of these processes on restoring the perception of Self continuity and coherence. The restoration of resilience abilities seems to be related to possession, or restoration, of both intrapsychic resources and mobilization of environmental resources. The relationship found between the variables related to the recovery from posttraumatic experiense and both PTSD and depressive levels suggest that the reorganization of both psychic structure and interpersonal patterns encompass an inthapsychic complex matrix underlying changes in symptom severity.
Descrição: Tese de Doutoramento apresentada ao ISPA - Instituto Universitário
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/4662
Designação: Doutoramento em Psicologia
Aparece nas colecções:PCLI - Tese de doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TES FERR P1.pdf2,64 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.