Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/4142
Título: “Eu tenho duas mães : Tu triangulas e eu não?”
Autor: Carneiro, Francis Anne Teplitzky
Orientador: Vila Real, Ângela
Data de Defesa: 2015
Editora: ISPA - Instituto Universitário
Resumo: A par das mudanças sociais que têm vindo a ocorrer (declínio do patriarcado, controle da natalidade, inserção da mulher no mercado de trabalho, aumento das separações, maior reconhecimento dos casais homossexuais, etc. - Rodriguez & Paiva, 2009) a familia conservadora é substituida gradualmente, a partir do séc. XIX na Europa, pelas familias não tradicionais (Singly, 2014). Dentro da grande variabilidade das organizações familiares a presente Dissertação focar-se-á nas famílias homoparentais. Em Portugal, as estimativas apontam ainda para um número bastante reduzido (Costa, Pereira & Leal, 2012), o que se repercute na escassa literatura acerca destas famílias modernas e em particular sobre as suas crianças. O que iremos observar de diferente no mundo interno destas crianças? Como serão as representações das imagos parentais? Que Complexo de Édipo? Que triangulações estarão por descobrir? Embora sejam suscitadas inúmeras questões e não podendo incidir em todas, pretende-se explorar a triangulação (se ocorre e como se movimenta a criança na tríade), os processos de identificação e os objetos de desejo de dois irmãos (uma menina e um menino) numa família constituída por duas mães. De um modo geral, constatou-se que a menina se identificou ao feminino e o menino apresentou alguma instabilidade nas identificações. Ambas as crianças apresentaram uma boa diferenciação entre o mundo interno e o mundo externo, não se desorganizaram perante a angústia pré-genital, acederam ao afeto depressivo, acederam às relações triangulares e abordaram a problemática edipiana. O menino acedeu à triangulação edipiana clássica (mãepai- filho) e manifestou o fantasma do parricídio no contexto de rivalidade em relação à figura masculina (incluindo sentimentos de culpabilidade). Surgiu também o fantasma do matricídio para ambas as crianças. Além disso foi também possível observar e refletir acerca de duas situações: a problemática da diferença dentro da igualdade (duas mães e uma filha) versus a problemática da identificação dentro da diferença (duas mães e um filho). Considera-se, por fim, a presente investigação como um “abrir portas” para os demais estudos que necessitam de ser realizados na área da psicologia clinica (vertente psicanalítica) relativamente às famílias homoparentais e os seus filhos. De facto, as teorias devem adaptarse às mudanças ocorridas na sociedade e não limitar a compreensão acerca do novo e diferente.
Descrição: Dissertação de Mestrado apresentada ao ISPA - Instituto Universitário
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/4142
Designação: Mestrado em Psicologia Clínica
Aparece nas colecções:PCLI - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
14916.pdf933,45 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.