Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/4102
Título: Stresse ocupacional e inteligência emocional: Explorando os efeitos no local de trabalho
Autor: Chaves, Elisabete Dinis
Orientador: Almeida, Pedro Henrique Garcia Lopes de
Palavras-chave: Inteligência emocional
Stresse ocupacional
Contexto laboral
Occupational stress
Emotional intelligence
Work environment
Data de Defesa: 2008
Resumo: O presente estudo tem como objectivo verificar de que forma é que a percepção do stresse ocupacional (SO) é influenciada pela inteligência emocional (IE), aferindo se sujeitos com elevada IE experimentam níveis de SO mais baixos comparativamente a sujeitos com baixa IE. Este trabalho segue o forte consenso na literatura (Goleman, 1997; Nikolaous & Tsaousis, 2002; Slaski e Cartwright, 2003; Limonero et al, 2004) em que a IE, como competência passível de ser desenvolvida, pode apresentar-se como fundamental na regulação do stresse, saúde e bem-estar. A amostra do estudo (n= 190) foi constituída por médicos, enfermeiros e professores. Aplicou-se o Emotional Schutte’s Inventory (Schutte, Mallouf, Hall, Haggerty, Cooper, Golden & Dornheim, 1998) adaptado para a população portuguesa por Clemente (2004) e o Occupational Stress Indicator (Cooper, Sloan & Williams, 1988), adaptado para Portugal por Cunha, Cooper, Reis & Fernandes (1992). Verificou-se que a hipótese em estudo foi confirmada, constatando-se que indivíduos com elevada IE percepcionam níveis mais reduzidos de SO, designadamente no que respeita aos factores intrínsecos à função, à gestão da função e ao relacionamento no âmbito da função. Estas conclusões reforçam a estrutura teórica que este estudo tem por base (Cooper, 1998; Mayer & Salovey, 2000, Slaski & Cartwight, 2002, 2003; Bulik, 2005) tendo um potencial significativo na gestão de stresse ocupacional e em todas as práticas de recursos humanos nas organizações.
ABSTRACT: This study’s purpose is to evaluate how emotional intelligence (EI) influences the perception of occupational stress (OS), by assessing whether individuals with a high EI experience lower levels of OS when compared to individuals with a low EI. This study follows the strong consensus in the literature (Goleman, 1996; Nikolaous & Tsaousis, 2002; Slaski e Cartwright, 2003; Limonero et al, 2004) that EI, as a competence prone to development, may present itself as fundamental in the regulation of stress, health and well-being. The sample of the study (n= 190) was comprised of doctors, nurses and teachers. The Emotional Schutte’s Inventory (Schutte, Mallouf, Hall, Haggerty, Cooper, Golden & Dornheim, 1998), adapted to the Portuguese population by Clemente (2004), and the Occupational Stress Indicator (Cooper, Sloan & Williams, 1988), adapted to Portugal by Cunha, Cooper, Reis & Fernandes (1992), were both applied. It was verified that the hypothesis under study was confirmed, meaning that individuals with a high EI perceive lower levels of OS, namely in what refers to factors intrinsic to their job, the management of their roles and the relationships established in the exercise of their functions. These conclusions strengthen the theoretical structure which serves as a basis to this study (Cooper, 1998; Mayer & Salovey, 2000, Slaski & Cartwight, 2002, 2003; Bulik, 2005) and have a significant potential in the context of occupational stress management and in all human resources’ practices in an organization.
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/4102
Designação: Mestrado em Psicologia Aplicada
Aparece nas colecções:PORG - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
15357.pdf312,58 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.