Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/387
Título: Estruturação temporal no desenvolvimento da linguagem: Em crianças de 4, 6, 8, 10 e 13 anos
Autor: Capa, Maria Albertina
Orientador: Pereira, Frederico
Palavras-chave: Psicologia educacional
Educational psychology
Data de Defesa: 1997
Editora: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Resumo: Pretende-se saber, através deste estudo, como se processa o desenvolvimento linguístico dos sujeitos de 4, 6, 8, 10 e 13 anos, relativamente à estruturação temporal. Para o efeito, criaram-se duas situações: compreensão e produção de enunciados. Os sujeitos, com a ajuda de brinquedos, mimaram, na primeira modalidade, quinze enunciados emitidos pelo experimentador. A relação entre ambas as acções era de simultaneidade ou de sucessão (posterioridade ou anterioridade). Na segunda vertente do estudo, após a mímica realizada pelo experimentador, os sujeitos descreveram as acções, por si realizadas. As mesmas ocorriam em sucessão ou em simultâneo. Conclui-se que, em ambas as modalidades, os desempenhos correctos dos sujeitos estão relacionados com a idade. Por outro lado, as variáveis classe social e sexo também têm influência. São os sujeitos pertencentes à classe mais favorecida que, na totalidade, apresentam melhores resultados, em termos qualitativos. Estatisticamente, a supremacia dos sujeitos pertencentes à classe social Média Alta apenas é considerada significativa, ao nível da prova de produção. Os sujeitos do sexo masculino são aqueles que, em todas as situações analisadas, revelam, no global, melhores competências. Em termos de compreensão dos enunciados-estímulo, existe um grau de dificuldade mais acentuado sempre que a ordem de enunciação das acções não corresponde à ordem cronológica dos acontecimentos. Relativamente à prova de produção, constata-se que o tempo verbal futuro é o último a diferenciar-se, sendo os tempos do pretérito aqueles que, primeiramente, ocorrem, no discurso conversacional dos inquiridos, seguido do tempo presente. Por outro lado, numa primeira fase, os sujeitos emitem enunciados justapostos ou coordenados pelo conector E e só posteriormente têm em atenção outras partículas para explicitação da ordenação temporal (conjunção e/ou adverbiais temporais).
Descrição: Dissertação de mestrado em Psicologia Educacional
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/387
Aparece nas colecções:PEDU - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DM CAPA1.pdf51 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.