Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/3790
Título: A influência das funções intrapessoais e interpessoais na auto-injúria não suicida e na ideação suicida
Autor: Completo, Joana Maria Pinto Silva
Orientador: Pereira, Maria Gouveia
Palavras-chave: Auto injúria não suicida
Adolescência
Ideação suicida
Non suicidal self injury
Adolescence
Suicidal ideation
Data de Defesa: 2014
Resumo: Os comportamentos de Auto-Injúria Não Suicida (AINS), sendo comportamentos de violência autodirigida, são considerados um problema de saúde pública (Werlang, Borges & Fensterseifer, 2005) e, nesse sentido, são, cada vez mais, um fenómeno que exige investigação por parte dos clínicos e investigadores. A adolescência revela-se, por excelência, como a fase da vida, na qual estes comportamentos estão maioritariamente associados e demonstram um maior risco de se envolverem em comportamentos suicidas (Klonsky & Glenn, 2009). Os comportamentos AINS podem apresentar diversas funcionalidades, podendo estas dizer respeito a funções intrapessoais ou a funções interpessoais. Este trabalho teve como objetivo explorar a relação entre estas funções com a AINS e a ideação suicida. Para atingir este fim, contactámos uma amostra constituída por 396 alunos de duas escolas, com idades compreendidas entre os 12 e os 19 anos, que responderam aos instrumentos: Inventário de Afirmações Sobre Auto-Injúria (ISAS) (Klonsky & Glenn, 2009) (Pereira & Duarte, 2014) e ao Questionário de Ideação Suicida (QIS) (Ferreira e Castela, 1999). A análise estatística dos resultados demonstrou que as funções intrapessoais possuem uma maior influência, face às funções interpessoais, no número de métodos utilizados em comportamentos de AINS e na ideação suicida, não sendo encontrada nenhuma associação entre ambas as funções e a frequência de AINS.
ABSTRACT: Behaviors of Non-Suicidal Self-Injury (AINS), being behaviors of self-directed violence, are considered a problem of public health (Werlang, Borges & Fensterseifer, 2005). In this way, they are, more and more, a phenomenon that requires research by clinicians and researchers. Adolescence reveals itself, par excellence, as the stage of life in which these behaviors are mostly associated and demonstrate an increased risk of engaging in suicidal behavior (Klonsky & Glenn, 2009). The AINS behaviors may have different features, which can be related to intrapersonal functions or interpersonal functions. This study aimed to explore the relationship between these functions with the AINS and suicidal ideation. To reach this goal, we contacted a sample of 396 students from two schools, aged between 12 and 19, who answered the instruments: Inventory Evaluation of Self-Injury (ISAS) (Klonsky & Glenn, 2009) (Pereira & Duarte, 2014) and the Suicide Ideation Questionnaire (QIS) (Ferreira and Castile, 1993/94). Statistical analysis of the results showed that, compared to the interpersonal functions, intrapersonal functions have a greater influence in the number of methods used in AINS behaviors and its linear relationship with suicidal ideation. We have not found any association between both functions and the frequency of AINS.
Descrição: Dissertação de mestrado apresentada ao ISPA - Instituto Universitário
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/3790
Designação: Mestrado em Psicologia Clínica
Aparece nas colecções:PCLI - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
21890.pdfDocumento principal1,25 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.