Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/3767
Título: Efeitos temporais no pensamento contrafactual
Autor: Jerónimo, Ana Teresa
Orientador: Senos, Jorge
Palavras-chave: Pensamento contrafactual
Diferenças de género
Efeitos temporais
Regret
Importância do acontecimento
Counterfactual thinking
Gender differences
Temporal effects
Regret
Importance of the event
Data de Defesa: 2009
Resumo: Ao longo da vida temos tendência a fazer balanços que nos permitem reflectir nas nossas opções e imaginarmos o que poderia ter ocorrido de forma diferente. A este processo de alterar cognitivamente um acontecimento dá-se o nome de pensamento contrafactual (contra os factos). Estes pensamentos incidem numa versão alterada da realidade, consistindo em cenários imaginários contrários ao sucedido, principalmente se tiverem sido adversos. ( e.g., Kahneman & Miller, 1986; Roese, 1994; Roese & Olson 1995a; Roese & Olson 1997). Ainda de acordo com estes autores, os contrafactuais têm uma direcção, que consiste na categorização que deles fazemos, com base na comparação feita entre os factos ocorridos e as alternativas percepcionadas. Desta forma, elaboramos um pensamento contrafactual ascendente, se percebemos a alternativa como algo melhor à realidade, e descendente se ocorrer o inverso. Aos contrafactuais ascendentes está associado o regret, onde lamentamos o que fizemos e correu mal, ou pelo contrário o que não fizemos (omissão) (Gilovich & Medvec, 1994; Gilovich & Medvec, 1995 a). Estes autores referem ainda, que a curto prazo lamentamos mais as acções cujo resultado não foi satisfatório, no entanto a longo termo são as omissões que nos causam mais regret. O presente estudo teve por objectivo, verificar se os acontecimentos revelados pelos sujeitos da amostra se centravam mais nas omissões, não se esperando encontrar diferenças de género no padrão temporal dos contrafactuais. Por outro lado, também se procurou determinar se existiam diferenças de conteúdo associadas ao género , isto é se os homens se centravam mais em aspectos relacionados com a sua realização pessoal, e as mulheres com factos relacionados com a sua realização emocional. Por último pretendeu-se verificar a direcção do pensamento contrafactual. De acordo com o quadro teórico (Gilovich & Medvec, 1994; Gilovich & Medvec, 1995 a) temos mais tendência a realizarmos contrafactuais em situações adversas (regret), pelo que se esperava encontrar mais contrafactuais ascendentes, causadores de regret, sendo esta incidência maior nas omissões. Mais uma vez não eram esperadas diferenças de género neste ponto. A amostra foi constituída por 45 sujeitos, ( 25 mulheres e 20 homens) com mais de 35 anos, sendo a média de idade de 42,4 anos. Embora a diferença não seja significativa, os resultados apontaram para uma tendência dos sujeitos se centraram mais em acções do que nas omissões, o que contraria a literatura, que refere haver uma maior tendência para os indivíduos focarem omissões a longo termo. Não foram encontradas diferenças de género em relação a esta tendência como era esperado. Relativamente ao conteúdo dos contrafactuais, também não foram verificadas diferenças relevantes entre homens e mulheres, o que contrariou a expectativa inicial, que relacionava os contrafactuais masculinos mais ligados á realização profissional e os femininos à realização pessoal, embora não exista literatura consistente que apoie esta ideia. Os sujeitos mostraram níveis de maior regret associado às omissões. Os sujeitos da amostra, a longo prazo centraram-se mais na acção, o que contraria a literatura (Roese e Olson, 1994 ; Roese e Olson,1995 a ; Roese e Olson, 1997) no entanto sentiram menos regret com estas acções, atribuindo-lhes contudo um grande significado. Pelo contrário, os indivíduos que se focaram mais na omissão, apresentaram níveis de regret mais elevados, o que vem no seguimento do quadro teórico exposto (Gilovich & Medvec,1994; Gilovich & Medvec,1995 a), no entanto deram menos importância ao acontecimento referido. Estes resultados são extremamente interessantes, pois ao serem aparentemente contraditórios e não existindo nenhuma literatura que os expliquem, abrem portas para novos estudos, que confirmem estes dados e que tragam novos conhecimentos a esta área do pensamento contrafactual.
Throughout our lives we tend to make statements that allow us to reflect on our choices and imagine what could have happened differently. In this process of change cognitively an event is given the name of counterfactual thinking (as opposed to facts). These thoughts relate to a modified version of reality, consisting of imaginary scenarios contrary to succeed, especially if they have been adverse. (Eg, Kahneman & Miller, 1986; Roese, 1994, Roese & Olson 1995, Roese & Olson 1997). Also according to these authors, the counterfactual has a direction, which is the categorization of them do, based on the comparison made between the facts and the alternatives perceived. Hence, we make an upward counterfactual thinking, if we perceive as being better alternative to reality, and downward if the reverse occurs. The counterfactual is associated with the ascending regret, where regret what we did and went wrong, or rather what did not do (omission) (Gilovich & Medvec, 1994; Gilovich & Medvec, 1995a). These authors also indicate that the short-term regret over the actions which result was not satisfactory, however the long term are the omissions that cause the most regret. The present study was to verify whether the events revealed by the sample subjects were focused more on omissions and is not expected to find gender differences in the temporal pattern of counterfactual. On the other hand, they also examined whether there were differences in the gender-related content, that is if men are more centered on issues related to their personal development, and women with the facts related to his emotional fulfillment. On the other hand, they also examined whether there were differences in the gender-related content, that is if men are more centered on issues related to their personal development, and women with the facts related to his emotional fulfillment. Finally to find out if the direction of counterfactual thinking. According to the theoretical framework (Gilovich & Medvec, 1994; Gilovich & Medvec, 1995 a) have more tendency to accomplish counterfactual in adverse situations (regret). Thus we expected to find more upward counterfactuals that cause regret, and this increased incidence omissions. Again were not expected gender differences on this point. The sample consisted of 45 subjects (25 women and 20 men) with more than 35 years, with a mean age of 42.4 years. Although the difference was not significant, the results indicated a tendency for the subjects focused more on actions than omissions, which contradicts the literature that states there is a greater tendency for individuals to focus omissions in the long term. There were no gender differences in relation to this trend as expected. Regarding the content of counterfactuals, were not found significant differences between men and women, which contradicted the initial hypothesis, which related the counterfactual more connected to the male professional achievement and personal fulfillment to women, although there is no consistent literature to support this idea . The subjects showed higher levels of regret associated with omissions. The subjects of the sample, the long-term focused more on action, which contradicts the literature (Roese and Olson, 1994, Roese and Olson, 1995, Roese and Olson, 1997) but felt less regret these actions by assigning them but a great significance. By contrast, individuals who have focused more on the failure showed levels higher regret, which follows the theoretical framework above (Gilovich & Medvec, 1994; Gilovich & Medvec, 1995), however, gave less importance to the event above. These results are extremely interesting because they seem to be contradictory, and there is no literature to explain, open the door to further studies to confirm these data and to bring new knowledge to this area of counterfactual thinking.
Descrição: Dissertação de Mestrado apresentada ao Instituto Superior de Psicologia Aplicada
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/3767
Designação: Mestrado em Psicologia Social e das Organizações
Aparece nas colecções:PSOC - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
5494.pdf349,64 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.