Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/3315
Título: Compreensão da violência no namoro durante a adolescência : Uma perspetiva qualitativa
Autor: Farinha, Maria José Trolho Isidoro
Orientador: Pereira, Maria Gouveia
Palavras-chave: Violência
Namoro
Adolescentes
Dinâmica relacional
Intergeracional
Violence
Dating
Adolescence
Relational dynamic
Intergenerational
Data de Defesa: 2014
Resumo: Em Portugal a violência nas relações de namoro dos adolescentes começou a ser estudada nos anos 90. Os principais objetivos do presente estudo visam perceber a complexidade da dinâmica relacional e da violência interpessoal que lhe está associada, o que apela a uma abordagem psicológica, baseada nas teorias do sadismo/masoquismo e nos modelos do relacional e do pensar. Simultaneamente procuraremos verificar a influência da teoria da transmissão intergeracional. O estudo contou com sete participantes do género feminino, com idades entre os 24 e os 35 anos, que passaram por experiências de namoro violentas entre os 15 e 23 anos. Sendo um estudo qualitativo, a entrevista foi a técnica escolhida. Os principais resultados mostram que a interação abusiva é iniciada pelo perpetrador e terminada ora pela vítima, ora pelo perpetrador, a violência psicológica constitui o tipo de abuso mais comum e a violência física surge na sequência de violência psicológica. Mostram ainda que a permanência na relação após os atos abusivos prende-se com o afeto, com a fantasia criada à volta do fim da violência, com a dependência e ainda com a necessidade de reparação. Um dia a relação acaba, sempre por iniciativa da vítima. A relação com outros significativos quer na infância, quer na adolescência leva-nos a pensar que a inscrição da violência é feita no tipo de relação de objeto e na dinâmica relacional. A dificuldade dos sujeitos em partilhar a vivência relacional alerta para a fragilidade dos laços familiares e existe uma influência da teoria da transmissão intergeracional, através da família.
ABSTRACT:Dating violence in adolescence began to be studied in Portugal during the nineties. The main purposes of this study intend to understand the complexity of the relational dynamic and the interpersonal violence associated to it, which takes us to a psychological approach, based in the sadism and masochism theories and in the relational and thinking models. The study included seven female participants, aged between 24 and 35 years old who experienced dating violence when they were between 15 and 23 years old. Being a qualitative study we chose the interview as the main technique. The results show that the abusive interaction begins with the perpetrator and ends either with the victim or with the perpetrator, the psychological violence represents the most common abuse and the physical violence always takes place after the psychological one. The results also show that after the abusive acts the participants remain in the relationships not only because of the affective issue, abut also due to the fantasy created around violence, the dependency and the need of repair. One day the relationship ends and that is a victim’s decision. The relationships with other significant, both during childhood and adolescence let us think that violence is connected to the object relation and the relational dynamic created. There is a huge difficulty in sharing the violent experiences, which calls our attention to the weakness of the family ties and there is an influence of the intergenerational transmission theory.
Descrição: Dissertação de Mestrado em Psicologia Clínica apresentada ao ISPA - Instituto Universitário
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/3315
Designação: Mestrado em Psicologia Clínica
Aparece nas colecções:PCLI - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
17855.pdf728,92 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.