Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/2697
Título: É o último sistema de avaliacão moral de Kohlberg realmente estrutural?
Autor: Lourenço, Orlando
Data: 1990
Editora: Instituto Superior de Psicologia Aplicada
Citação: Análise Psicológica, 8, 311-318
Resumo: A tese Kohlbergiana de que os estádios morais formam um todo estruturado levou Kohlberg a sucessivas reformulações da definição dos estádios de juízo moral e da metodologia para os avaliar. Com efeito, Kohlberg sustentou que os sistemas de avaliação iniciais não distinguiam claramente ((estrutura)) e «conteúdo», mas que tal distinção estava presente no seu último sistema de avaliação. A finalidade principal deste estudo é examinar em que grau a estrutura de estádio moral é realmente independente do seu conteúdo na Última e definitiva versão da metodologia Kohlbergiana (i.e., no «Standard Issue Scoring Manual», Colby & Kohlberg, 1987, 1987a). Partimos da hipótese de que se a estrutura do estádio moral pode ser realmente dissociada do seu conteúdo, então cada um dos 9 estádios estruturais pode ser definido independentemente das diversas categorias de conteúdo moral (i.e., valores, normas e elementos morais) e, acima de tudo, independentemente da categoria de conteúdo moral que Kohlberg considerou como a mais importante (i.e., elementos morais). Os 708 Juízos-Critério contidos no «Standard Issue Scoring Manual)) foram distribuídos pelos 9 est&dios estruturais, pelos 2 valores que podem ser escolhidos em qualquer dilema moral de Kohlberg, pelas 8 normas morais que os sujeitos podem invocar para a escolha de determinado valor, e pelos 4 tipos de elementos morais que os indivíduos podem referir como justificação final para a escolha de determinado valor e norma. Os dados deste estudo mostram que o último sistema de avaliação moral de Kohlberg não é verdadeiramente estrutural e, portanto, não confirmam a tese Kohlbergiana da completa independência entre estrutura e conteúdo. São finalmente discutidas as implicações teóricas e metodológicas destes dados.
ABSTRACT: Kohlberg’s claim that moral stages form a cstructured wholeness)) has led him to a continuing evolution in the proposed defhitions of moral judgment stages and in the accompanying assessment methodology. In effect. Kohlberg argued that early scoring systems did not make a rigorous enough distinction between «content» and «structure», and that new scoring methods yield an explicit differentiation of content and structure. The main goal of this study was to examine the degree to which stage structure is really distinguishable from content in Colby and Kohiberg’s (1987) Standard Issue Scoring Manual. This study hypothesized that if stage structure can really be dissociated from content, then each moral stage (1, 1/2, 2, 2/3, 3, 3/4, 4, 4/5 and 5) can be defined independently from the moral categories judged to be the most important Kohlbergian content moral categories (i.e, moral elements). All of the 708 criterion-judgments listed in the Standard Issue Scoring Manual were distributed into nine structural stages, two moral issues, eight moral norms, and four types of moral elements (i.e., normative, utilitarian, perfectionist and fairness elements). Data show that Kohlberg’s new scoring independent from moral content. Theoretical and system is not truly structural and, thus, do not methodological implications of these data are support Kohiberg’s claim that moral structure is really discussed
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/2697
ISSN: 0870-8231
Aparece nas colecções:PDES - Artigos em revistas nacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
1990_3_311.pdf582,8 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.