ISPA Repositório do ISPA
 
  Novo Utilizador? Registe-se aqui! Utilizador Registado? Entrar  

Repositório do ISPA >
Psicologia do Desenvolvimento >
PDES - Tese de doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10400.12/1652

Title: Os jovens e os seus pares: Estudo sociométrico e psicopatológico de uma população escolar
Authors: Oliveira, Cristina Villares
Keywords: Sociometria
Grupo de pares
Desenvolvimento
Psicopatologia
Adolescentes
Instrumentos
Sociometry
Peer relations
Development
Psychopathology
Adolescents
Instruments
Issue Date: 1999
Publisher: Faculdade de Medicina, Universidade de Coimbra
Abstract: Da revisão da literatura sobre os relacionamentos das crianças e dos jovens com os seus pares, constata-se a existência de um sólido corpo de informação sobre a influência do grupo de pares no desenvolvimento, sobre a conexão entre os relacionamentos familiares e as capacidades sociais e adaptativas, sobre as formas de avaliação dos relacionamentos entre colegas (sendo as técnicas sociométricas as grandes privilegiadas), sobre os equivalentes cognitivo-comportamentais e afectivos dos estatutos sociométricos, e sobre a capacidade destes em prever risco de desajustamento no futuro. Mas constata-se igualmente a existência de informação escassa sobre a associação entre psicopatologia e a qualidade dos relacionamentos entre os jovens, área que todavia se mostra promissora na investigação em psicopatologia do desenvolvimento. O presente trabalho tem como objectivo ajudar à compreensão do nexo entre esses elementos e à comunicação sempre desejável entre esferas complementares do conhecimento. Na Escola 2,3 C/C do Ensino Básico de Anadia, foram avaliados sociometricamente, ao longo de três anos consecutivos, jovens do 5o ao 9o anos de escolaridade. No primeiro ano de estudo, foram incluídos 268 jovens, no segundo 454 jovens e no terceiro 393 jovens. Foi analisada a distribuição das populações pelos diferentes estatutos sociométricos (populares, médios, negligenciados, rejeitados e controversos) e, para cada um deles, foram examinados os padrões de interacção social. Foram aleatoriamente seleccionados 121 jovens no terceiro ano de estudo, distribuídos equitativamente pelos quatro estatutos sociométricos mais representativos, e foi também incluído o único elemento controverso. Foi aplicado um protocolo, junto dos jovens e professores, que procurou avaliar e quantificar elementos sobre a psicopatologia, condições sócio-familiares e adaptação escolar. Foi igualmente avaliada a estabilidade versus a mudança de estatuto sociométrico em anos consecutivos, e estudada a sua associação com a psicopatologia detectada. Os elementos obtidos são descritos e, sempre que possível, submetidos a análise estatística. Os resultados encontrados permitem extrair as seguintes conclusões: 1. O teste sociométrico é um método eficaz para medir os relacionamentos dos jovens com os seus pares e para detectar grupos relativamente homogéneos quanto ao funcionamento social, psicológico e académico. 2. Em qualquer grupo de jovens estudado, encontra-se uma percentagem estável de indivíduos que são sociometricamente populares, médios, negligenciados, rejeitados ou controversos. 3. O bom relacionamento com os colegas encontra-se associado a uma constelação de factores: bom nível de adaptação social e escolar, desempenho académico elevado, e satisfação pessoal. Pelo contrário, os grupos sociometricamente desfavorecidos (negligenciados e rejeitados) evidenciam maiores problemas nessas mesmas áreas. 4. Os grupos sociométricos que evidenciam bom relacionamento com os colegas (populares e médios) apresentam significativamente menos psicopatologia do que os grupos socialmente problemáticos. Apenas as perturbações de ansiedade tomam expressão na psicopatologia detectada nos grupos sociometricamente mais favorecidos. 5. O grupo sociométrico dos negligenciados aproxima-se significativamente mais do grupo dos rejeitados do que de qualquer outro em medidas de psicopatologia e desajustamento social e escolar. Distinguem-se, no entanto, pelo facto de o grupo dos negligenciados ser aquele que apresenta taxas mais elevadas de perturbações de ansiedade, enquanto que o grupo dos rejeitados é aquele que apresenta taxas mais elevadas de perturbações relacionadas com comportamentos disruptivos. 6. Os estatutos sociométricos apresentam estabilidade moderada quando avaliados dois anos consecutivos. O grupo dos rejeitados mantém-se fortemente estável ao fim de um ano. O grupo menos estável é o dos controversos. O dos negligenciados diferencia-se dos rejeitados por apresentar uma estabilidade menor. 7. Pela singeleza da sua aplicação e pela sua capacidade em discriminar os grupos potencialmente psicopatológícos, o teste sociométrico toma-se um método de eleição para detectar grupos de risco. Estes resultados podem constituir um subsídio para algumas linhas de investigação em psicopatologia do desenvolvimento, concorrendo para a detecção precoce de jovens em risco psicopatológico, para o esclarecimento dos factores subjacentes à psicopatologia, e para o delinear de estratégias e intervenções terapêuticas. Neste sentido, surgem como relevantes para futura investigação as seguintes hipóteses: A. Grande parte dos indivíduos sociometricamente mal posicionados apresenta psicopatologia, mas a relação causal desta associação não está determinada. Pode considerar-se que formas precoces de perturbação têm uma influência negativa nos relacionamentos interpessoais dos jovens, ou pelo contrário considerar-se que os jovens com dificuldades nos relacionamentos interpessoais se tomam desproporcionalmente vulneráveis aos factores de stress normativos e não-normativos. B. O isolamento social, mesmo sem a existência de rejeição activa, pode ser considerado como um factor de risco. Pode assim considerar-se o estatuto sociométrico condicionado por esse tipo de dificuldades nos relacionamentos, o estatuto dos negligenciados, como um grupo potencialmente em risco. C. Embora uma parte dos jovens sociometricamente mal posicionados apresente uma evolução favorável, não são conhecidos os factores que determinam esse desfecho. Poderá haver uma relação com um isolamento temporário, ao invés dos efeitos mais negativos de um isolamento continuado. D. Atendendo a que os grupos dos populares e dos médios não diferem na sua adaptação psico-social, poderá não ser necessário um grau de aceitação pelo grupo superior ao normal para que a vida social na escola seja benéfica. E. O teste de percepções sociométricas, ao medir a tele, ou a capacidade do indivíduo perceber correctamente as escolhas de que é alvo, pode igualmente permitir a medição da capacidade do indivíduo em experienciar afectos, positivos ou negativos, com um mínimo de distorção perceptual.
Description: Tese de Doutoramento em Psiquiatria, apresentada à Faculdade de Medicina, Universidade de Coimbra
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/1652
Appears in Collections:PDES - Tese de doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
TES OLIV C1.pdf82.16 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

© 2009 Instituto Superior de Psicologia Aplicada - Feedback - Statistics
   Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE