Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.12/1356
Título: Long-term declines of wader populations at the Tagus estuary, Portugal: A response to global or local factors?
Autor: Catry, Teresa
Alves, José A.
Andrade, Joana
Costa, Helder
Dias, Maria P.
Fernandes, Pedro
Leal, Ana
Lourenço, Pedro Miguel
Martins, Ricardo C.
Moniz, Filipe
Pardal, Sara
Rocha, Afonso
Santos, Carlos D.
Encarnação, Vitor
Granadeiro, José Pedro
Data: 2011
Editora: BirdLife International
Citação: Bird Conservation International, 21, 438-453
Resumo: Migratory wader populations face global threats, mainly related to increasing rates of habitat loss and disturbance driven by human activities. To a large extent, the long-term survival of these populations requires the conservation of networks of sites along their migratory flyways. The Tagus estuary, Portugal, is among the most important wetlands for waders in the East Atlantic Flyway. Annual winter wader counts have been carried in this wetland since 1975 and a monthly roost-monitoring programme was implemented in 2007. Wintering populations of three out of the five most abundant species, Dunlin Calidris alpina, Grey Plover Pluvialis squatarola and Redshank Tringa totanus, showed significant population declines over the past three decades, which are most likely due to the loss and degradation of roost sites as a result of increasing human activity. The situation is unlikely to improve, as a high proportion of the wintering waders use roost sites that are situated in highly urbanised areas with no legal protection. The use of different roost sites by waders is highly variable both temporally and spatially, thus emphasizing the need for a network of good quality roost sites. Additionally, during migration, 60–80% of all the waders of the Tagus estuary concentrate at a single refuge, thus increasing the risk for wader populations during these periods. ------ RESUMO ------ As populações de aves limícolas migradoras enfrentam ameaças globais, maioritariamente relacionadas com a crescente perda de habitat e perturbação humana. Para garantir a sobrevivência a longo-termo destas populações é imprescindível a conservação de uma rede de áreas húmidas ao longo das suas rotas migratórias. O estuário do Tejo, em Portugal, é uma das mais importantes áreas húmidas para aves limícolas na rota Migratória do Atlântico Este. Desde 1975, foram efectuadas contagens anuais de aves limícolas no inverno nesta zona húmida e, em 2007, foi implementado um programa de monitorização mensal dos refúgios de preia-mar. As populações invernantes de três das cinco espécies de limícolas mais abundantes no estuário, o Pilrito-de-peito-preto Calidris alpina, a Tarambola-cinzenta Pluvialis squatarola e o Perna-vermelha Tringa totanus, mostraram tendências significativas de decréscimo nas últimas três décadas, potencialmente devido à degradação e perda de refúgios como resultado da crescente actividade antropogénica. Esta situação poderá deteriorar-se, uma vez que uma grande proporção das aves limícolas invernantes utiliza refúgios em áreas densamente urbanizadas sem qualquer estatuto legal de protecção. A utilização dos diferentes refúgios do estuário do Tejo por aves limícolas tem uma grande variação espacial e temporal, o que reforça a importância da existência de uma rede de refúgios de elevada qualidade nesta área húmida. Durante a migração, 60 a 80% das aves limícolas concentram-se num único refúgio, ficando assim particularmente vulneráveis neste período.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.12/1356
ISSN: 0959-2709
Aparece nas colecções:UIE-E - Artigos em revistas internacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
BCI 21 438-455.pdf336,49 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.